Volume
Redes
Sociais
Empresas de Jinjiang se expandem para o exterior e viram marca internacional
11/07/2018 - 13h31 em Novidades

A cidade de Jinjiang, província de Fujian, foi uma importante cidade na antiga rota da seda marítima da China, em que o comércio exterior viveu um momento de grande prosperidade. Hoje em dia, a cidade se situa na vanguarda da aplicação da reforma e abertura do país, testemunhando a penetração de empresas locais no mercado exterior, criando um modelo internacional.

A cidade passou gradualmente da condição de “cidade industrial” chinesa para uma “cidade de grife internacional”. O caminho de transformação de Jinjiang teve início no estilo de vida de sua população, incluindo hábitos como o modo de se vestir e a gastronomia local.

O Grupo de Alimentos Panpan, uma das corporações mais conhecidas em Jinjiang, já exporta seus produtos para mais de 40 países e regiões. Em 2017, o volume de venda no exterior ultrapassou 7 bilhões de yuans. O presidente do Grupo, Cai Jinan, afirma que a Panpan estabelecerá fábricas em alguns países do Sudeste Asiático e da Europa.

“Já estabelecemos uma empresa nas Filipinas. No passado, nossa matéria-prima vinha da Indonésia, Tailândia, Canadá e Austrália, entre outros países. Agora instalamos primeiramente a empresa e vendemos nossos produtos. Se a venda for abundante, podemos abrir uma fábrica no local, avançar rumo à tendência internacional.”

Para criar um modelo internacional para a Panpan, a empresa cooperou de forma ampla com algumas instituições e universidades chinesas. Ele fundou um laboratório de estudo, conjuntamente com os institutos de estudo sobre alimentos e bebidas do Japão, Estados Unidos, Alemanha e Itália, realizando a cooperação estratégica nessa área. A empresa também enviou regularmente funcionários para os países do BRICS, além de outros países e regiões, para estudar e buscar oportunidades de colaboração.

A Empresa de Vestuário de Qipai é outra empresa que se concentra no mercado externo. O valor da marca Qipai ultrapassa 42,5 bilhões de yuans, ficando na linha de frente entre as marcas de vestuário.

A empresa foi fundada em 1979, quase ao mesmo momento de aplicação da reforma e abertura da China. Nesses quase 40 anos de desenvolvimento, mais de 3,5 mil lojas especializadas foram abertas em cidades por toda a China. O presidente da empresa, Hong Zhaoshe, conta que a empresa está planejando ampliar seu trabalho no mercado internacional.

“Se a nossa empresa puder sair para o exterior, isso representará um grande salto para o nosso desenvolvimento. Portanto, ampliamos agora o mercado externo e alguns trabalhos já são executados. Por exemplo, atividades relacionadas com o comércio eletrônico e a criação de nossas filiais no exterior. Tudo isso é o que planejamos agora.”

O Grupo de Hengan é o maior fabricante de lenço de papel e produtos de higiene para maternidade. Fundado em 1985, ele já acumula 30 bilhões de yuans em ativos fixos.

O gerente-geral de relações públicas da empresa, Chen Fapei, afirma que, graças à aplicação da iniciativa do Cinturão e Rota, a empresa tem acelerado o passo para estender ainda mais a cadeia industrial e se instalar no mercado internacional.

“Desde 2016, aceleramos o ritmo para planejar nosso trabalho no exterior. De 2016 a 2017, adquirimos uma companhia da Malásia que produz fraldas. E investimos na Indonésia e na Rússia para abrir fábricas. Em abril deste ano, investimos em uma planta de polpa biológica da Finlândia. Tudo isso representa nosso trabalho no exterior. No contexto do Cinturão e Rota, acredito que nossa empresa encontrará uma condição para desenvolvimento rápido.”

Fonte: CRI

 

COMENTÁRIOS