ZTE pede desculpas após pagar "preço desastroso" em caso de sanção dos EUA
08/06/2018 - 16h01 em Tecnologia

O presidente do conselho da ZTE pediu desculpas à equipe e aos clientes nesta sexta-feira após a empresa de tecnologia chinesa fazer acordo para pagar uma multa de 1 bilhão de dólares aos Estados Unidos para terminar uma proibição de fornecimento de componentes que prejudicou seus negócios. 

O acordo permite que a segunda maior empresa de equipamentos de telecomunicações da China retome as operações, reafirme os relacionamentos de fornecimento e reconstrua confiança com clientes globais, enquanto trabalha para deixar para trás um episódio que diz ter ameaçado sua existência.

No entanto, especialistas da indústria estimam que levará pelo menos um mês para que a ZTE retome as vendas de celulares após o fim da proibição, enquanto funcionários temem cortes de postos de trabalho e redução de salário, conforme a empresa caminha para mudar sua diretoria.

A ZTE concordou na véspera em pagar a multa e trocar a administração da companhia para retirar a proibição que está em vigor desde abril. A proibição, que remonta a uma violação de embargo comercial dos EUA contra o Irã, impediu a compra pela ZTE de componentes norte-americanos dos quais depende para fabricar seus smartphones e outros dispositivos.

O caso tornou-se amplamente politizado e foi um foco de negociações entre Washington e Pequim, que travam uma guerra comercial.

Em um memorando enviado para a equipe nesta sexta-feira, o presidente do conselho da ZTE, Yin Yimin, pediu desculpas a funcionários, clientes, acionistas e parceiros de negócios e disse que a empresa buscará aprender com seus erros e punir os responsáveis, disse à Reuters um membro da equipe. 

COMENTÁRIOS
Comentário enviado com sucesso!
PUBLICIDADE